FSC-Watch

An independent observer of the Forest Stewartship Council

Peasant murdered by employees of FSC certfied plantation company, BrazilTags: Brazil, Plantations, SGS Qualifor

FSC-Watch has received the following communication* from Rede Alerta Contra o Deserto Verde (Action Network Against Green Deserts), Brazil, concerning the shooting dead of a local peasant by the armed guards of Vallourec Mannesman, a eucalyptus plantation company in Minas Gerais state, Brazil, certified for the FSC by SGS.

Below the communication from Green Deserts is an article from Red Pepper magazine from 2006 which describes some of the context of this new FSC-certified atrocity.

A detailed evaluation of this certificate was undertaken by World Rainforest Movement as long ago as 2002; this was a tragedy waiting to happen.

February 27, 2007 RURAL WORKER FROM CANABRAVA COMMUNITY - GUARACIAMA MUNICIPALITY / BOCAIÚVA REGION - NORTH OF MINAS GERAIS - MURDERED BY ARMED GUARD OF VM - Vallourec Mannesmann - IN A COWARDLY MANNER

Antonio Joaquim dos Santos, a 32-year-old agricultural worker and extractivist, married with four children, has been murdered in a cowardly manner by an armed guard of Vallourec Mannesmann (VM), a company that is planting thousands of hectares of eucalyptus plantations in the north of Minas Gerais. This murder is an eruption of the violent process of expropriation of the traditional populations of the north of Minas that is occurring due to the expansion of eucalyptus monoculture in the region. According to information from the community, the murder took place on 26 February 2007 at 21.00 hours when Joaquim, along with his 16-year-old daughter, Eudisleia dos Santos, was returning home from collecting firewood for his own domestic use. Seizing Antonio Joaquim, the two armed guards hired by VM, known as C and J de Ca$mina, tied him up, hit him and fired two shots into his mouth in front of his daughter.

This act took place on one of the eucalyptus plantations certified by the Forest Stewardship Council which, theoretically, is a guarantee of ecological management and social responsibility. The Rede Alerta contra o Deserto Verde, a network striving to bring the indiscriminate expansion of eucalyptus monocropping in Brazil to a halt, has been denouncing VM for the environmental, social and economic impact of its plantations for years. Last year, the Canabrava community submitted an international complaint relating to their suffering and lack of alternatives, including the destruction of the Cerrados caused by the company, which has left the community without access to firewood and native fruits, in addition to causing the Canabrava River to dry up. VM's answer was to increase the pressure on the community, who have been living in terror ever since, threatened by militia that even bring pressure to bear when the children, returning home from school, collect twigs and kindling and put it in their saddle bags.

According to residents of the community, Antonio Joaquim was stopped by the VM guards on his brother's property, where he was in the habit of collecting firewood. They stopped Antonio and his daughter and, dragging them into VM's area, assaulted them and threatened to kill Eudisleia. Some inhabitants who witnessed the event asked them to let them go. Ignoring this request, they held them prisoner until they had tied him to a tree and fired two shots into his mouth in front of his daughter.

This is not the first time that members of Canabrava community have been threatened by VM's armed militia. There are a variety of different accounts and complaints of seizure of carts, and of the workers' farm tools, of verbal and physical assaults on inhabitants. A climate of terror reigns in the community, in which the residents are deprived of the right to come and go as they please due to the constant threats. The Rede Alerta contra o Deserto Verde alerted the agrarian and human rights authorities for an immediate and energetic intervention against VM's excesses, namely: the Coordinating Body for Human Rights, the Environment and Land Conflicts of the Minas Gerais Public Prosecutor's Office, through Dr. Afonso Henriques de Miranda Teixeira, the president of the Legislative Assembly's Human Rights Commission, parliamentary member Durval Ângelo, the National Agrarian Supervisory Body through Judge Gercino José da Silva Filho, the State Public Prosecutor of Bacia de São Francisco, Dr. Paulo César, and ITER through Dr. Luiz Chaves. Complaints are going to be made to FSC Brazil and FSC International for an immediate termination of the Green Label that was awarded to VM despite knowledge of the environmental impacts and inhuman conditions this company is imposing on the community.

The Green Desert by Heidi Bachram in the Red Pepper

As the struggle for land and water resources in Brazil intensifies, Heidi Bachram discovers that the new carbon market is an added burden for vulnerable communities.

The dust whipped up by the trucks lies like a red fog over the road ahead, meaning we're driving blind most of the time. Occasionally one of the trucks, transporting wood charcoal, veers dangerously close and its overburdened load leans ominously towards us. We're driving along a track in the middle of the Brazilian cerrado (savanna) attempting to get to a scattered farming community, Cana Brava, before nightfall. The subsistence farmers ahead are surrounded on all sides by eucalyptus plantations that provide the raw materials for the charcoal in the trucks. There is a chance we might be stopped by the armed guards that 'protect' the plantations. Between the encroaching twilight, the unpredictable trucks, the guards and the dust, nerves are beginning to fray.

Finally we arrive in absolute darkness that can only be found in rural areas, far away from the orange glow of the city. The house we reach belongs to 48 year old Maria Camargo Soares whose grandmother worked the land here. Now she continues the family tradition of subsistence farming. She's uncertain that her children can or will carry the traditions into the next generation. Cana Brava dates from over a hundred years ago which is a long time in the remembering of a young colonial nation like Brazil. The community is 22 km from the nearest town along the aforementioned dirt road. There are over a thousand people living in the area, two thirds of the original inhabitants have now moved to the city as the encroaching plantations gobble up water and land around them. ?They left because when the company came in 1975 the land become so little that people couldn?t support themselves. When my grandparents had their farm here there was enough land for everyone to live comfortable. Now the water has dried up and this year we didn't harvest anything at all because of the drought and the drain on the water from the plantation,? Dona Maria explains.

Juarez Teixeira, a local trade union worker adds: ?These people used to have freedom to use these lands, to come and go, to graze their cattle, to extract wood, to collect fruit and herbs. Today they are confined to this small area, one side it?s rock and on the other the armed guard of the company.? The company in question is Vallourec & Mannesmann (V&M), a French-German steel company that uses the eucalyptus charcoal to fuel steel production. They have over 40,000 hectares of eucalyptus plantations in this region alone. In total there are 5 million hectares of eucalyptus in Brazil in a country where land issues are top of the political and social agenda. The history of eucalyptus is closely tied to that of the the oppression of the military dictatorship where people were forcibly removed from their lands to make way for the 'green revolution'.

V&M did not evict the people from the lands in Cana Brava yet their more subtle tactics are as effective. Dona Maria describes how the company flout agreements by not terracing the land within the plantation resulting in rains flooding through to her farm and causing silting. Her first home was destroyed when a V&M truck crashed into it after careering off the nearby road. Juarez Teixeira catalogues many other problems caused by the company such as health and safety violations where workers have been put in danger or poorly compensated for death and injury, outsourcing to small contractors who illegally log native forests so the company can not be held accountable and breaking environmental laws by planting near to water sources: ?The threat to workers and people here is great. Shots have been fired on people by the armed guards. They feel prisoners within their own lands.?

Perversely a climate change agreement now adds to the burden local people face in the form of the new carbon market. In 2003 V&M announced a landmark deal with the Dutch government and Toyota to provide carbon credits from supposedly planning to use wood charcoal instead of coal to fire their steelworks. At the time there were objections locally and internationally that support for the company meant new financial incentives to plant more eucalyptus, thereby increasing the pressure on the community's water and land resources. Juarez Teixeira: ?Carbon credits are just another way for V&M to make money and continue as before.? Intervention here is begged for by the local people, yet it seems the manner in which the international community has become involved seems only to increase pressure on an already fragile existence. Bets have been hedged on the bad guy. Ironically the subsistence farmers of Cana Brava manage the land in an infinitely more climate-friendly way than companies like V&M. Unfortunately they don't qualify for carbon credits.

Comments

Deserto Verde e INCRA: Todos uns anjos
Rio de Janeiro - A Polícia Federal encontrou um arsenal com trinta armas pesadas nesta quinta-feira (8) durante a operação que desarticulou uma quadrilha que mantinha um laboratório de refino de cocaína em um assentamento do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), no município de Conceição de Macabú, no norte do estado do Rio de Janeiro. A operação resultou na prisão de 26 pessoas.

Segundo o delegado Eduardo Fontes, da Polícia Federal em Macaé, e responsável pela operação, as armas encontradas tinham alto poder de fogo e faziam parte do estoque de defesa da própria quadrilha.

“São submetralhadoras israelenses, fuzis, pistolas e muita munição. Acreditamos que essas armas serviam de estoque para a quadrilha. Se perdiam as armas ou essas eram destruídas, os integrantes da quadrilha tinham essas armas à disposição”, disse.

Também foram encontrados na operação 20 quilos de pasta base para produção de cocaína – suficientes para produzir 60 quilos de cocaína em pó -, produtos químicos para preparação da droga, além de 45 quilos de maconha, cerca de dois quilos de haxixe e sete quilos de crack.

A Polícia Federal informou que Eucimar da Conceição Barreto, conhecido como Boi, era responsável pelo lote cadastrado pelo Incra.

REDE ALERTA CONTRA O DESERTO VERDE + MST + VILA CAMPESINA = INTRANSIGÊNCIA, VIOLÊNCIA E DESTRUIÇÃO

ASSIM DIZ A REDE:
Em ação nesta madrugada, mulheres destroem viveiro da Aracruz no RS

Cerca de 2 mil agricultoras ligadas à Via Campesina fizeram uma ação relâmpago em um viveiro de mudas de eucalipto da empresa Aracruz perto de Porto Alegre na madrugada desta quarta. O protesto visou marcar posição contra as monoculturas de eucalipto no estado, os chamados 'desertos verdes'. Depois da ação, as manifestantes fizeram uma marcha e entregaram à Conferência da FAO um documento de reivindicações.

Verena Glass - Carta Maior - 08/03/2006


PORTO ALEGRE - Cerca de 2 mil agricultoras ligadas à Via Campesina realizaram uma ação relâmpago na madrugada desta quarta (8) nas dependências da empresa Aracruz Celulose, em Barra do Ribeiro (RS), município que fica ha cerca de duas horas de Porto Algre. O ato, que também comemorou o dia internacional da mulher, foi um protesto contra a expansão da monocultura de eucalipto no estado do Rio Grande do Sul, atividade que vem crescendo vertiginosamente e que, segundo as agricultoras, tem transformado a região em um deserto verde improdutivo do ponto de vista da soberania alimentar.

Transportadas por 37 ônibus até a área de viveiros da Aracruz, a mulheres, na noite ainda cerrada, destruíram estufas e bandejas de mudas de eucalipto em uma ação que, em si, não demorou mais de 20 minutos. Ação encerrada, as agricultoras voltaram para Porto Alegre para participar da marcha comemorativa do 8 de março da Via Campesina.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, reprovou, na tarde desta quarta, a ação no horto florestal da Aracruz Celulose. Ao condenar a atitude, Rossetto disse que ações dessa natureza nada têm a ver com o programa de reforma agrária e que, portanto, esse é um assunto que deve ser tratado pelo Poder Judiciário. Segundo o ministro, essa ação não reflete o ambiente de debate e troca de experiências que está ocorrendo na Conferência da FAO.

ASSIM DIZ O BOM SENSO:
Destruição segue linha internacional

Um dos mais destruidores atos da história do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o atentado contra a Aracruz Celulose, ocorrido na quarta-feira, afirma a nova linha da organização. A frente de batalha deixa de ser o campo improdutivo, e a articulação das invasões agora é internacional. O ato em Barra do Ribeiro, concebido para afugentar um investimento de US$ 1,2 bilhão e milhares de empregos, aumentou o afastamento entre o MST e o governo Lula.

Ao devastar milhões de mudas e dilapidar um patrimônio de pesquisas, os sem-terra e seu braço feminino, o Movimento das Mulheres Camponesas (MMC), praticaram as diretrizes de uma cartilha internacional. A depredação teve o apoio e o planejamento da Via Campesina, guarda-chuva de entidades que defendem um mundo sem multinacionais, sem empresas, sem defensivos e de princípios coletivistas.

Paul Nicholson, dirigente da entidade que participa de um fórum de ONGs paralelo à conferência internacional de reforma agrária no campus da Pontifícia Universidade Católica (PUCRS), culpou a vítima.

- A destruição do laboratório foi um ato de legítima defesa de camponeses contra a política destrutiva de uma empresa, a Aracruz, que prega a monocultura, danifica o ambiente e o torna infértil - disse Nicholson, que, apesar do nome inglês, se identifica como representante do País Basco, região espanhola.

A Polícia Civil confere informações de que estrangeiros ligados à Via Campesina participaram do vandalismo. O delegado regional de Barra do Ribeiro, Rudymar de Freitas Rosales, analisa vídeos com imagens da invasão e listas dos ônibus que levaram os manifestantes. Entre esses veículos há um com placas de Villa Elisa, no Paraguai, até ontem visto estacionado no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, na Capital. O veículo trouxe desde Assunção uma delegação com 39 paraguaios ligados a nove associações de agricultores. A participação de estrangeiros no vandalismo lhes renderia, no mínimo, a expulsão do país.

Os policiais tentam formalizar testemunhos de que os forasteiros estiveram no local do atentado, bem como um asiático, que teria sido fotografado no viveiro de mudas. Será difícil, porque a ação foi planejada de forma a proteger a identidade dos militantes. Os voluntários para a depredação dormiram num prédio contíguo à Igreja Santo Antônio (dos freis capuchinhos) e dali saíram com rostos cobertos por lenços.

A depredação da Aracruz é a culminância de um processo de ampliação do espectro de lutas do MST, copiado de outros países.

Invasores de conferência gritaram "Fora Aracruz"

Em entrevista à rádio CBN, o líder do MST João Pedro Stedile defendeu ontem táticas radicais contra as multinacionais. Ao justificar a depredação da Aracruz, perguntou aos participantes se "alguém já comeu eucalipto, alguém já comeu papel?". E aproveitou para criticar o governo Lula, antigo aliado.

- Governo, em toda parte do mundo, só vive puxando o saco do poder econômico. A novidade é que, no Brasil, é um governo de esquerda que começou a puxar o saco do capital.

Dando forma às palavras de Stedile, 200 militantes da Via Campesina invadiram o palco da conferência, ao entardecer de ontem. Ao entregar um documento de apoio à reforma agrária, recebido pelo ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, gritavam "reforma agrária urgente" e "fora FMI e Aracruz" .

O Estado contra-ataca:
Uma ofensiva contra os mentores da depredação do viveiro da Aracruz foi deflagrada ontem pelo governador em exercício, Antonio Hohlfeldt (PMDB).

A primeira orientação, dada à Polícia Civil, foi identificar os integrantes da Via Campesina entrevistados ontem por jornais, TVs e rádios. Em seguida, veio a ruptura formal com a organização, na forma de uma ordem de serviço.

- Esta ordem suspende temporariamente toda e qualquer relação institucional de órgãos do governo do Estado com a Via Campesina - explicou Hohlfeldt.

A Casa Civil fará um levantamento de convênios, contratos e protocolos celebrados entre o Estado e entidades que mantenham vínculo com a organização internacional. Serão atingidas aquelas que firmem documentos, dêem declarações públicas ou pratiquem atos que as envolvam com a organização.

Uma terceira medida do governo será a publicação em jornais de um edital, para vincular as pessoas citadas ao inquérito policial.

- Também pretendemos convocar os jornalistas que estiveram presentes para nos dar mais dados sobre o que ocorreu - complementou o governador em exercício.

Enquanto a Polícia Civil procura identificar os participantes do ataque, o Ministério Público investe em outra frente de investigação.

- Vamos descobrir quais são as empresas que alugaram os ônibus para a operação. Queremos inibir este tipo de atitude - revelou o promotor da Comarca de Barra do Ribeiro, Daniel Indrusiak.

PRF acompanhou sem-terra sem saber do vandalismo

Ontem, ZH localizou a dona de uma dessas empresas. A mulher revelou que os sem-terra usaram um acesso de terra para ir de Tapes a Barra do Ribeiro. Ou seja, o grupo não teria passado pela BR-116 na madrugada de quarta-feira.

A possibilidade de que o grupo que partiu de Tapes tenha fugido do movimento da BR-116 é considerada a mais forte pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Alertada para a movimentação dos sem-terra pela Brigada Militar de Tapes, às 3h20min de quarta-feira, três policiais rodoviários procuraram em vão o comboio entre as 3h30min e as 7h. Quando finalmente acharam o grupo, na BR-290, ainda acompanharam os ônibus em direção a Porto Alegre. Sem desconfiar do crime praticado pelos passageiros.

- Quando os encontramos, não havia razão para pará-los. Para a gente, eram ônibus do MST que não tinham feito nada de errado. Ninguém esperava que fizessem este ato de guerrilha - argumenta o chefe da comunicação social da PRF, inspetor Alessandro Castro.

De acordo com a dona da empresa usada pelo grupo, o motorista do veículo recebeu o pagamento do aluguel em dinheiro ao chegar a Tapes. O condutor não emitiu o recibo que permitiria descobrir quem pagou pelo serviço.

- O motorista voltou apavoradíssimo. Quem teve a capacidade de fazer aquilo com uma empresa daquelas, pode fazer qualquer coisa - afirma.

( rodrigo.cavalheiro@zerohora.com.br )

Opinião
Antonio Hohlfeldt, governador em exercício
"Quanto à Aracruz, não há problemas, mas existe uma certa preocupação evidentemente em relação a empresas que poderiam vir..."
"Estes movimentos não fazem um ato em si por ele mesmo, fazem um ato buscando a intermediação da magnificação que a mídia dá."
"Eu me sinto aterrorizado no sentido literal do termo, não no sentido de institucional, de movimento terrorista. Não consigo imaginar que pessoas racionais tem um comportamento deste."
"(...)o governo sempre teve uma relação muito respeitosa nos movimentos populares, dentro dos quais a Via Campesina. Agora, não foi este o comportamento deles conosco."

Depois da depredação, risada e deboche:
Em contraste ao choro da pesquisadora Isabel Gonçalves, que se desesperou ao ver seu trabalho científico destruído durante a invasão da Aracruz Celulose na madrugada de quarta-feira, uma reportagem da RBS TV veiculada ontem no RBS Notícias e no Jornal Nacional exibiu o riso de integrantes da Via Campesina que participaram da ação.

Com uma câmera escondida, o repórter Giovani Grizotti registrou as reações de agricultores acampados no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho ao ataque e colheu depoimentos sobre como ele foi organizado. Em uma das cenas, um homem de chapéu conta rindo a um grupo de pessoas que uma das invasoras tomou café e depois quebrou a garrafa térmica dentro da empresa.

- Tava bem bom o café, mas quebrou tudo - disse, provocando risadas gerais.

Outra agricultora afirma que a ação vinha sendo planejada há cerca de três meses, e dois ou três dias antes já havia olheiros da Via Campesina colocados nas proximidades da empresa para monitorar a situação. Sem saber que estava sendo gravada, outra mulher que participou da destruição de pelo menos 3 milhões de mudas de árvores, estufas e laboratórios da Aracruz conta que houve um leve temor ao descer do ônibus, mas que a visão da depredação estimulou o grupo.

- Deu aquele medinho na mulherada só no sair do ônibus, sabe. Mas depois que viram as primeiras indo destruir... Mas foi muito lindo de ver.

Uma invasora conta ainda que mulheres de Santa Catarina viajaram ao Estado apenas para participar da atividade, retornando em seguida para casa. Confira, a seguir, trechos das conversas gravadas pela reportagem da RBS TV no acampamento:



A conversa
Agricultor
- Diz que uma tomou cafezinho e depois quebrou a térmica (risos). Tava bem bom o cafezinho, mas quebrou tudo (risos).
Agricultora 1
- Foi um estrago total, né.
Repórter - É?
- Daí eu virei as caixas. Não tinha força, mas consegui. De tarde nós fomos pra lá. Era pra ter ido de manhã, mas fomos tarde, lá em Tapes. Ficamo lá, passamo a noite...2h30min a gente foi pra lá. Mas tinha gente há dois, três dias... tudo num lugar certo, né.
Repórter - Lá perto da empresa?
- Lá pertinho...Quando chegamo lá não tinha ninguém, o guarda não tava mais lá... e entramo tudo, os ônibus deram a volta.
Agricultora 2
- Que eu sei, há uns três meses atrás já vinha sendo articulado (o ataque).
- Todas as mulheres assim, ó...(cobrindo o rosto com um lenço lilás)
Repórter - Pra não aparecer?
- Pra não aparecer...e eles filmando tudo.
- Deu aquele medinho na mulherada só no sair do ônibus, sabe. Mas depois que viram as primeiras indo destruir...Mas foi muito lindo de ver.
Agricultora 3
- Já foram os de Santa Catarina. Nem vieram, nem vieram (ao acampamento).
Repórter - Esses de Santa Catarina foram só na Aracruz, lá?
- Só. Não, e fomos depois na universidade entregar o documento (manifesto do movimento das mulheres).

Fonte: Zero Hora

Armed security force of FSC-certified company kills villager in Brazil | FSC-Watch
FSC Watch: Armed security force of FSC-certified company kills villager in Brazil
Two years ago, a peasant was murdered by guards of the company Vallourec and Mannesman in Brazil. At the time, V&M's plantations

Add a comment

Please leave these fields blank (spam trap):

No HTML please.


You can edit this comment until 30 minutes after posting.

< 46 older entries172 newer entries >